Independência dos Estados Unidos

Os Estados Unidos que conhecemos hoje nem sempre foram livres e prósperos, e pode ser difícil de acreditar, mas aquele país já foi um conjunto de colônias britânicas.

Como toda colônia sofreu muitos abusos por parte de seu dominador, e por causa do excesso de poder por parte da Inglaterra, houve uma revolta dos colonos americanos que culminou na independência dos EUA.

A independência dos EUA foi proclamada em 1776 após uma reunião da burguesia que lá moravam, e foram apontados diversos motivos para a emancipação das treze colônias (como os EUA eram chamados nesse período)

Principais motivos da independência

No século XVIII a Inglaterra estava enveredada em diversos conflitos armados, e por isso precisava cada vez mais de recursos.

Desse modo, como os EUA faziam parte de seu domínio, o abuso de autoridade começou a reinar nas relações entre eles, levando ao aumento de impostos e uma crescente demanda de suprimentos.

Leis absurdas foram impostas pela coroa sobre os EUA, tais como alimentar soldados britânicos, assim como hospedá-los, pagar alíquotas por jornais vendidos nas colônias e coisas desse porte.

Essa postura adotada pela Inglaterra irritou muito os colonos que viviam nos EUA, e a principal causa estava na estagnação do desenvolvimento local.

Os colonos que faziam parte da burguesia se viram em um ponto crítico, e decidiram pela independência.

A carta de independência dos EUA foi escrita com os ideais iluministas e liberais, assegurando as liberdades individuais sobre o domínio estatal.

O livre comércio também foi implementado nos EUA e tinha direito garantido por lei.

Consequências da independência

A independência dos EUA proporcionaram alguns conflitos com a coroa, mas também permitiu um grande desenvolvimento comercial.

Isso aconteceu por causa do livre comércio daquele período, facilitando a aquisição e venda de mercadorias diversas.

As liberdades individuais permitiram ao povo direitos sobre suas propriedades e asseguraram que nenhum poder autoritário pudesse dominar os EUA novamente.

Por conta dessas leis, os EUA nunca sofreram nenhuma ditadura em toda sua história pós-independência.

Qual é a densidade da água?

Existem muito termos físicos básicos importantes quando queremos estudar a forma como a matéria está organizada no universo, e um deles é a densidade.

A densidade de uma determinada substância, esteja ela em estado sólido, líquido ou gasoso, é sua massa dividida pelo seu volume.

Note aqui que podemos calcular a densidade de qualquer coisa que quisermos, e com isso especificar uma propriedade do objeto que está sendo estudado.

Por conta de sua natureza, a densidade nos diz como os átomos estão organizados no objetivo, mas sem grandes informações detalhadas.

O cálculo da densidade

O cálculo da densidade de qualquer objeto é a razão da quantidade de massa do objeto pelo seu volume.

Desse modo, temos que d = m/V, onde m é a massa do objeto e V o seu volume ocupado.

É muito importante que a temperatura seja levada em consideração na hora do cálculo, pois o volume do objeto varia conforme a temperatura.

A densidade da água

A densidade da água, devido a sua abundância no planeta Terra, foi considerada como padrão para o cálculo da densidade.

Dessa forma, sempre que calculamos a densidade de um objeto, estamos dizendo quantas vezes ele é mais denso do que a água.

A densidade da água, como é a medida padrão, tem o valor de 1 kg/litro, ou seja, um litro de água pesa exatamente um quilograma.

Uma curiosidade sobre a água é que o gelo possui densidade menor do que a água líquida, fazendo com que boie.

Esse fenômenos acontece em apenas algumas substâncias conhecidas pelo homem, pois geralmente o estado sólido afunda no estado líquido.

Exemplo de cálculo da densidade

Suponha que um determinado objeto possua volume de 3 litros, e que tenha 6 Kg de massa. Qual a densidade desse objeto? Ele irá afundar ou boiar na água?

A densidade do objeto é d = 6 Kg/ 3 litros = 2 Kg/Litro, ou seja, é duas vezes mais denso do que a água.

Sabemos que substâncias mais densas afundam em menos densas, desse modo ele irá afunda na água.

Ossos do corpo humano – Quais são?

O ser humano tem 206 ossos, sendo composto por:

  • Ossos da cabeça: crânio e face;
  • Ossos do crânio: Tendo um total de 8 ossos, frontal, parietal (2), temporal (2), occipital, esfenoide e etmoide;
  • Ossos da face: zigomático (2), nasal (2), mandíbula, palatino (2), maxilar (2), lacrimal (2), concha nasal inferior (2) e vômer;
  • Ossos do pescoço: hioide;
  • Ossos do ouvido: bigorna, martelo, estribo sendo o menor osso de cada, o ser humano possui dois de cada um desses ossos;
  • Ossos do tórax: tem 44 ossos no total, 24 costelas, 7 vértebras cervicais, 1 esterno, 12 vertebras torácicas;
  • Ossos do Abdômen:  7 ossos totais, sendo 5 vertebras lombares, 1 cóccix e 1 sacro;
  • Ossos dos membros inferiores: total de 62 ossos,  sendo cintura pélvica (2),na perna temos 8 localizados, fêmur (2), fíbula (2), tíbia (2), patela (2), no pé encontramos 52 ossos, sendo calcâneo, navicular, tálus, cuneiforme medial, cuneiforme intermédio; cuneiforme lateral, cuboide, metatarsos, falange proximal, falange média, falange distal. O fêmur é o maior osso do corpo humano;
  • Ossos superiores:  64 ossos, considerando que 4 localizam-se na cintuta escapular, tendo 2 clavículas e 2 omoplatas. Nos braços temos a ulna, úmero e radio, dois de cada no corpo humano.
  • Ossos das mãos: maior quantidade de ossos do corpo humano se encontram nas mãos, totalizando 54 ossos, sendo eles:  escafoide; semilunar, piramidal, pisiforme, trapézio, trapezoide, capitato, hamato, metacárpicos, falange proximal, falange média, falange distal.

Existem algumas classificações onde os ossos se encaixam, como ossos curto, longos, irregulares e planos. Os ossos longos são aqueles que o comprimento é maior que a largura. Os ossos planos são mais finos e são de áreas de fixação importantes, como as costelas, escápulas, externas e crânio.  Os ossos curtos são aqueles que apresentam a sua largura e comprimento com tamanhos próximos, agora os ossos irregulares, tem formatos e tamanhos variados, tendo suas estruturas mais complexas, tais como as vertebras e os ossos que encontramos nas faces.

Climas do Brasil – Quais são?

Devido a sua grande extensão territorial o Brasil apresenta tipos de climas bastante diferentes e diversificados, veja abaixo quais são eles.

Clima tropical

O clima tropical ocupa a maior área do território do Brasil, este tipo de clima caracteriza-se pelas temperaturas elevadas registadas durante todo o ano (18 °C ou superiores). Outra importante característica do clima tropical é a clara distinção entra a temporada de chuvas (verão) e a temporada de seca (inverno).

Onde o clima tropical está presente?

Na região Centro-Oeste, em algumas partes da região Nordeste e também em algumas áreas da região Sudeste do país.

Clima tropical de altitude

O clima tropical de altitude é parecido com o clima tropical, porém apresenta temperaturas mais baixas, ficando entre 15º e 22º C.

Onde o clima tropical de altitude está presente?

Nas áreas elevadas da região Sudeste, nas regiões serranas do Rio de Janeiro e Espírito Santo, no centro-sul de Minas Gerais e na região central do estado de São Paulo.

Clima subtropical

O clima subtropical caracteriza-se por apresentar temperaturas bastante distintas durante os meses do ano, sendo o verão muito quente e o inverno muito frio. As temperaturas podem variar entre 30º e 0º C, ou ainda ultrapassar esses valores. Esse tipo de clima apresenta também uma boa distribuição de chuvas durante o ano.

Onde o clima subtropical está presente?

Nos estados da região sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), além da região sul do estado de São Paulo.

Clima semiárido

O clima semiárido caracteriza-se por apresentar temperaturas altas durante todo o ano (média de 26º C), longos períodos secos e escassez de chuvas. A caatinga é a vegetação típica encontrada nesse clima.

Onde o clima semiárido está presente?

Na região Nordeste e em alguns lugares do Sudeste brasileiro.

Clima equatorial úmido

O clima equatorial úmido caracteriza-se por apresentar chuvas recorrentes durante todos os meses do ano, altas temperaturas (acima de 24º C), curta estação de seca, além de umidade constante na região.

Onde o clima equatorial úmido está presente?

Especialmente no complexo regional Amazônico.

Clima equatorial semiúmido

O clima equatorial caracteriza-se por apresentar temperaturas altas, porém é a incidência de chuvas é menor que no clima equatorial úmido. Esse clima apresenta estação chuvosa e seca.

Onde o clima equatorial semiúmido está presenta?

Na região Norte do Brasil.

A revolta dos malês – História resumida

A Revolta dos camponeses começou em Essex em 30 de Maio de 1381, quando um cobrador de impostos tentou, pela terceira vez em quatro anos, cobrar um imposto de pesquisa. A guerra de Ricardo II contra a França estava indo mal, a reputação do governo foi danificada, e o imposto foi “a última gota”.

Os camponeses não estavam apenas protestando contra o governo. Desde a peste negra, os pobres ficaram cada vez mais zangados por ainda serem servos, normalmente cultivando a terra e servindo o seu rei. Chicoteados pela pregação do Padre radical John Ball, exigiam que todos os homens fossem livres e iguais, por leis menos duras.; e uma distribuição mais justa da riqueza.

Logo Essex e Kent estavam em revolta. Os rebeldes coordenaram as suas tácticas por carta. Eles marcharam em Londres, onde destruíram as casas dos Ministros do governo. Eles também tinham um conjunto claro de exigências políticas.

Em 15 de junho, o rei de 14 anos, Ricardo II, conheceu o líder dos rebeldes, Wat Tyler. William Walworth, o prefeito de Londres, atacou e matou Tyler. Antes que o exército rebelde pudesse retaliar, Ricardo avançou e prometeu abolir a servidão. Os camponeses foram para casa, mas mais tarde as tropas do governo visitaram as aldeias enforcando homens que tinham tomado parte na Revolta.

Embora a revolta tenha sido derrotada, as suas exigências – leis menos duras, dinheiro para os pobres, liberdade e igualdade-tornaram-se parte da democracia a longo prazo.

A Revolta dos camponeses foi uma revolta popular. Em suas demandas por direitos e igualdade, era semelhante aos cartistas do século XIX e às Sufragistas do século XX – ambos fizeram campanha por maiores direitos políticos – exceto que, notavelmente, a Revolta dos camponeses aconteceu seis séculos antes!

Personagens do folclore brasileiro

Se tratando do folclore brasileiro podemos dizer que não são poucos os personagens que tem suas historias contadas ao longo dos anos. São contos, histórias, lendas e muito nas cantigas. Existe historia de tudo, desde morto vivo, mula sem cabeça e menino de uma perna só. Descubra aqui, nas linhas abaixo, um pouco mais sobre as principais lendas.


Saci Pererê

Retratado sempre como um moleque muito arteiro, defende a natureza e luta contra caçadores. Nos desenhos mais antigos ele aparece fumando seu cachimbo, mas com o passar dos anos teve que trocar por pirulitos, tirando assim um pouco da identidade do verdadeiro Saci.

Mula sem Cabeça

Certa vez uma mulher se interessou por um padre e acabou recebendo um feitiço. Perdeu a cabeça e virando uma mula. Segundo a crença popular ela sai nas noites de quinta feira, soltando fogo pelo pescoço. Costuma também a assustar pessoas e animais nos pastos. Como dizia o meme “essa é a tal da mula”.

Negrinho do Pastoreio

Essa historia se passou nos tempos dos escravos, no sul do Brasil.

Um menino que era escravo em umas aras, ao levar os cavalos de seu senhor para passear, acabou perdendo um dos animais que acabou fugindo.

Ao chegar sem um dos cavalos, foi brutalmente castigado por seu dono, que o colocou nu amarrado no formigueiro. Ele não resistiu e acabou morrendo, devidas as dores provocadas pelas formigas. Com o tempo pessoas viram ele montado no cavalo perdido próximo a imagem da virgem maria.

Curupira

Esse é uma das lendas mais enigmáticas do nosso folclore. Se Garrincha, foi o rei do drible com suas pernas tortas, o que se pode dizer do Curupira? Seus pés são para traz para enganar os caçadores, que não conseguem achar onde ele se escondeu. Se ele andar de costas, será como se estivesse andando para frente e vice e versa. Ate os caçador pensar em uma coisa dessa, ele já teve suas armas e comidas saqueados pelo carinha verde de olhos vermelhos.

Cálculo de Porcentagem – Entenda como fazer

O cálculo de porcentagem é utilizado diariamente para obter descontos e lucros. A porcentagem é utilizada desde compras mais básicas como a compra de roupas, por exemplo, a compra de carros. Hipoteticamente falando, se vai realizar a compra de algo e ele possui desconto de 30%, é necessário compreender que este valor deve ser multiplicado pelo valor do objeto para se saber o resultado do desconto. O mesmo cálculo é feito para obter a taxa de juros e o valor do lucro.

Saber calcular porcentagem é importantíssimo, visto que esse cálculo vai ser utilizado durante a vida inteira do indivíduo. O cálculo de porcentagem é feito desde o ensino fundamental e importantíssimo para quem vai prestar algum vestibular ou concurso. Para calcular porcentagem é importante entender que a porcentagem nada mais é um número dividido por 100. Por exemplo: 70/100 que é igual a 70%. O resultado desta divisão é igual a 0,7. Para calcular a porcentagem é necessário multiplicar o valor desejado pelo percentual que se quer obter.

Confira abaixo alguns exemplos de como fazer cálculo de porcentagem:

Exemplo 01:
Quanto é 25% de 600?
Porcentagem X = 25%
Y = 600
Então, Y*X/100
V = 600*25/100
V = 600*0,25 = 150
Portanto 25% de 600 é igual a 150.

Exemplo 02:
Felipe foi comprar uma calça que custava R$ 100, mas à vista teria 15% a de desconto. Qual o valor da camisa?
Porcentagem: X = 15%
Y = 100
V = Y.X/100
V = 100*15/100
V = 100*0,15
V = 15
O valor da camisa foi de R$ 85.

A história das relações internacionais

Basicamente, as relações internacionais têm como principal objetivo gerir ordenadamente as ciências econômicas, políticas e sociais de diferentes países. As relações internacionais refletem diretamente nas fronteiras entre países e também nas empresas. Nas relações internacionais, os agentes que mais se destacam são as empresas transnacionais, as organizações internacionais e as organizações não-governamentais.

Desde o último século as relações internacionais estão cada vez mais próximas às ciências políticas e distantes da história. Mas as relações internacionais não tratam apenas de história e ciências políticas. Cabe também as relações internacionais se aprofundar em assuntos como Antropologia, Cultura, Direito, Economia, Filosofia, Geografia e a Psicologia.

Durante a Guerra Fria, os estudos das relações internacionais tiveram seu início. Eles surgiram através da necessidade de analisar as ações estratégicas dos países, a fim de expandirem e garantirem seus poderes absolutos, investigando principalmente a conduta bélica e diplomática dos Estados modernos.

O desenvolvimento do capitalismo resultou no denominado “Primeiro Mundo” em meados da década de 1960. O “Primeiro Mundo” virou objeto de estudo de diversos teóricos e era baseado principalmente na anarquia. Estes teóricos mais tarde ganhariam o nome de membros da escola liberal.

No Brasil, o primeiro curso de relações internacionais surgiu no ano de 1969, na Universidade de Brasília. Em 1999 já existiam 21 cursos de relações internacionais distribuídos pelo Brasil. No ano de 2009 foram contabilizados 97 cursos de relações internacionais espalhados pelos quatro cantos do país.

Lei de Hess – Como funciona?

A Lei de Hess pode ser considerada uma extensão da Lei da Termodinâmica. Ela afirma que se uma reação pode ocorrer por mais de uma rota a partir das mesmas condições iniciais e finais, então a mudança de entalpia total é a mesma para cada rota.Existem 2 rotas:

A + B + C

Pela Lei De Hess: A + B + C = D

Para exemplificar melhor, confira imagem explicativa abaixo:

Se 3 dos valores acima são conhecidos então o quarto pode ser trabalhado para fora.

O Ciclo de Hess

Um ciclo de Hess pode ser usado para realizar mudanças de entalpia. Há livros cheios de valores para entalpias de formação para vários compostos.

Você pode usar a Lei de Hess juntamente com estes valores para trabalhar mudanças de entalpia para muitos tipos de reações.r versão da Lei de Hess é que a mudança de entalpia para uma reação é a soma das entalpias de formação dos produtos, cada uma multiplicada por seu coeficiente correspondente (n) a partir de sua equação química equilibrada, menos a entalpia de formação dos reagentes, cada (novamente) multiplicada por seu coeficiente correspondente.

Adicionar e subtrair várias combinações destas podem facilitar previsões termodinâmicas convenientes para uma grande variedade de reações.

O restante deste artigo trata de como a Lei de Hess é aplicada e generalizada a uma variedade de situações físicas.

História de criação da lei de Hess

A Lei de Hess tem o nome do químico russo Germain Hess. Hess ajudou a formular os primeiros princípios da termoquímica. Seu artigo mais famoso, publicado em 1840, incluía sua lei sobre termoquímica. A lei de Hess é devido à entalpia ser uma função de Estado, que nos permite calcular a mudança geral na entalpia simplesmente somando as mudanças para cada passo do caminho, até que o produto seja formado. Todos os passos têm que prosseguir à mesma temperatura e as equações para os passos individuais devem equilibrar-se. O princípio subjacente à Lei de Hess não se aplica apenas à entalpia e pode ser usado para calcular outras funções, tal como mudanças de energia e de força.

Adjetivos Pátrios – Como funciona? Exemplos

 

Os adjetivos pátrios designam a origem das pessoas  e das coisas segundo: a região, o país, o estado, a cidade, o município, entre outros.

Como funciona?

  • Os adjetivos pátrios devem sofrer flexão de gênero e número, quando apropriado.
  • São sempre escritos em letras minúsculas.

Exemplos:

  • Cinco mulheres brasileiras.
  • Um homem brasileiro.

Adjetivos pátrios compostos

Adjetivos pátrios compostos são aqueles formados por dois ou mais adjetivos pátrios.

Como funciona?

  • São obrigatoriamente separados por um hífen.
  • O primeiro adjetivo aparece em sua forma reduzida e erudita.
  • O segundo adjetivo aparece em sua forma normal, e sofre flexão de gênero e número.

Exemplos:

  • Carro anglo-americano. (anglo = inglês).
  • Reino franco-germânico (franco = francês).

Conheça os adjetivos pátrios dos países do mundo

  • Afeganistão – afegane ou afegão
  • África do Sul – sul-africano ou austro-africano
  • Albânia – albanês
  • Alemanha – alemão, germânico, germano ou teutônico
  • Andorra – andorrano ou andorrense
  • Angola – angolano ou angolense
  • Antígua e Barbuda – antiguano
  • Antilhas – antilhano ou antilhense
  • Arábia – árabe
  • Arábia Saudita – saudita, árabe-saudita
  • Argélia – argelino ou argeliano
  • Argentina – argentino
  • Armênia – armênio
  • Atenas – ateniense
  • Austrália – australiano, australês ou austrálio
  • Áustria – austríaco
  • Azerbaidjão – azerbaidjano ou azeri
  • Bahamas – bahamense, baamense, baamês, baamiano ou bahamiano
  • Bangladesh – bangladeshiano
  • Barbados – barbadiano
  • Barein – bareinita
  • Bélgica – belga
  • Belize – belizenho ou belizense
  • Benim – beninense ou beninês
  • Bielorrússia – bielorrusso ou russo-branco
  • Birmânia – birmanês, birmã, birmane ou mianmarense
  • Bogotá – bogotano
  • Bolívia – boliviano
  • Bósnia e Herzegovina – bósnio, herzegóvino, bosniense, bosníaco, bosniano ou bosniano
  • Botsuana – botsuanense ou botsuanês
  • Brasil – brasileiro ou brasiliano
  • Brunei – bruneano
  • Buenos Aires – portenho, bonaerense ou buenairense
  • Bulgária – búlgaro
  • Burkina Faso – burquinense, burquinabê ou burquino
  • Burundi – burundiense, burundinês ou burundiano
  • Butão – butanês, butanense, butâni ou butani
  • Cabo Verde – cabo-verdiano
  • Camarões – camaronense ou camaronês
  • Camboja – cambojano, cambojiano ou campucheano
  • Canadá – canadense, canadiano ou canadiense
  • Catalunha – catalão
  • Catar – catariano ou catarense
  • Cazaquistão – cazaquistanês ou cazaque
  • Chade – chadiano ou chadiense
  • Chile – chileno
  • China – chinês, china, chim ou chino
  • Chipre – cipriota, cíprio ou chiprense
  • Cingapura – cingapurense ou cingapuriano
  • Colômbia – colombiano
  • Comores – comoriano ou comorense
  • Congo – congolês, congo ou conguês
  • Coreia do Norte – coreano ou norte-coreano
  • Coreia do Sul – coreano ou sul-coreano
  • Costa do Marfim – marfiniano, marfinense, ebúrneo ou costa-marfinense
  • Costa Rica – costa-riquenho ou costa-riquense
  • Croácia – croata
  • Cuba – cubano
  • Curdistão – curdo
  • Dinamarca – dinamarquês, danês ou dano
  • Djibuti – djibutiano ou djibutiense
  • Egito – egípcio, egipcíaco ou egipciano
  • El Salvador – salvadorenho ou salvatoriano
  • Emirados Árabes Unidos – emiradense
  • Equador – equatoriano
  • Eritreia – eritreu
  • Escócia – escocês
  • Eslováquia – eslovaco
  • Eslovênia – esloveno
  • Espanha – espanhol
  • Estados Unidos – norte-americano, estadunidense, americano, ianque, americano-do-norte ou estado-unidense
  • Estônia – estoniano ou estônio
  • Etiópia – etíope ou etiópio
  • Fiji – fijiano, fidjiano
  • Filipinas – filipino
  • Finlândia – finlandês ou finês
  • Formosa – formosino ou formosano
  • França – francês
  • Gabão – gabonense ou gabonês
  • Gália – gaulês
  • Gâmbia – gambiano ou gambiense
  • Gana – ganense ou ganês
  • Geórgia – georgiano ou geórgico
  • Granada – granadino
  • Grécia – grego, heleno ou argivo
  • Groenlândia – groenlandês ou gronelandês
  • Guatemala – guatemalteco ou guatemalense
  • Guiana – guianense ou guianês
  • Guiné – guineano ou guinéu
  • Guiné Equatorial – guinéu-equatoriano
  • Guiné-Bissau – guineense
  • Haiti – haitiano
  • Havana – havanês ou havano
  • Holanda – holandês, neerlandês ou batavo
  • Honduras – hondurenho
  • Hungria – húngaro ou hungarês
  • Iêmen – iemenita
  • Ilhas Marshall – marshalino
  • Ilhas Salomão – salomônico
  • Índia – indiano, índio, índu ou hindu
  • Indonésia – indonésio
  • Inglaterra – inglês, anglo, anglo-saxão ou britânico
  • Irã – iraniano ou irânico
  • Iraque – iraquiano
  • Irlanda – irlandês
  • Islândia – islandês
  • Israel – israelense ou israeliano
  • Itália – italiano, itálico ou ítalo
  • Iugoslávia – iugoslavo ou juguslavo
  • Jamaica – jamaicano ou jamaicense
  • Japão – japonês ou nipónico
  • Jordânia – jordaniano, jordaniense ou jordânio
  • Kiribati – kiribatiano
  • Kuwait – kuwaitiano
  • Laos – laosiano ou laosense
  • Lesoto – lesotiano, lesotense ou lesoto
  • Letônia – letão ou leto
  • Líbano – libanês
  • Libéria – liberiano
  • Líbia – líbio ou líbico
  • Liechtenstein – liechtensteinense, liechtensteiniano, liechtensteiniense ou listenstainiano
  • Lituânia – lituano, lituânico ou lituânio
  • Luanda – luandense ou luandês
  • Luxemburgo – luxemburguês
  • Macedônia – macedônio ou macedônico
  • Madagascar – madagascarense ou malgaxe
  • Malásia – malásio, malaio ou malasiano
  • Malaui – malauiano, malauiense, malaui, malaviano ou malavita
  • Maldivas – maldívio, maldivano, maldiviano ou maldivo
  • Mali – maliano
  • Malta – maltês
  • Marrocos – marroquino
  • Maurício – mauriciano
  • Mauritânia – mauritaniano ou mauritano
  • México – mexicano
  • Micronésia – micronésio
  • Moçambique – moçambicano
  • Moldávia – moldávio
  • Mônaco – monegasco
  • Mongólia – mongol, mongolino ou mongólico
  • Montenegro – montenegrino
  • Moscou – moscovita
  • Namíbia – namibiano ou namíbio
  • Nauru – nauruano
  • Nepal – nepalês
  • Nicarágua – nicaraguano ou nicaraguense
  • Níger – nigerino ou nigerense
  • Nigéria – nigeriano
  • Noruega – norueguês
  • Nova Zelândia – neozelandês
  • Omã – omanense, omaniano ou omani
  • País de Gales – galês ou galense
  • Palau – palauano ou palauense
  • Panamá – panamenho ou panamense
  • Papua Nova Guiné – papua ou papuásio
  • Paquistão – paquistanense ou paquistanês
  • Paraguai – paraguaio ou paraguaiano
  • Pequim – pequinês
  • Peru – peruano ou peruviano
  • Polônia – polonês ou polaco
  • Porto Rico – porto-riquenho ou porto-riquense
  • Portugal – português, lusitano ou luso
  • Quênia – queniano
  • Quirguistão – quirguistanês ou quirguiz
  • República Centro-Africana – centro-africano
  • República Dominicana – dominicano
  • Romênia – romeno
  • Ruanda – ruandês
  • Rússia – russo
  • Salomão – salomônico
  • Samoa Ocidental ou Americana – samoano ou samoense
  • San Marino – san-marinense ou são-marinense
  • Santa Lúcia – santa-lucense
  • São Cristóvão e Névis – são-cristovense
  • São Tomé e Príncipe – são-tomense ou santomense
  • São Vicente e Granadinas – são-vicentino
  • Sardenha – sardo
  • Seicheles – seichelense ou seychellense
  • Senegal – senegalês, senegalense ou senegaliano
  • Serra Leoa – serra-leonense ou serra-leonês
  • Sérvia – sérvio
  • Singapura – singapurense ou singapurano
  • Síria – sírio ou siríaco
  • Somália – somali ou somaliano
  • Sri Lanka – cingalês
  • Suazilândia – suazi, suázi ou suazilandês
  • Sudão – sudanês
  • Suécia – sueco
  • Suíça – suíço, helvécio ou helvético
  • Suriname – surinamense ou surinamês
  • Tadjiquistão – tadjique ou tadjiquistanês
  • Tailândia – tailandês
  • Taiwan – taiwanês
  • Tanzânia – tanzaniano
  • Tchecoslováquia – tcheco, tchecoslovaco, checo ou checoslovaco
  • Tibete – tibetano
  • Timor Leste – timorense ou timor
  • Togo – togolês, togolense, toguense ou toguês
  • Tonga – tonganês
  • Trinidad e Tobago – trinitário, trinitário-tobagense e tobaguiano
  • Tunísia – tunisiano
  • Turcomenistão – turcomeno
  • Turquia – turco
  • Tuvalu – tuvaluano
  • Ucrânia – ucraniano
  • Uganda – ugandense ou ugandês
  • Uruguai – uruguaio ou uruguaiano
  • Uzbequistão – uzbeque ou uzbequistanês
  • Vanuatu – vanuatense ou vanuatuense
  • Vaticano – vaticano
  • Venezuela – venezuelano
  • Vietnã – vietnamita ou vietnamense
  • Zaire – zairense
  • Zâmbia – zambiano, zambiense ou zâmbio