Dilatação térmica – Como funciona?

A dilatação térmica é a tendência da matéria a mudar de volume em resposta a uma mudança de temperatura. Um exemplo disso é o frenesim da via férrea,nesse caso, os átomos e moléculas em um sólido e oscilam constantemente em torno de seu ponto de equilíbrio. Contudo, quando expostos à altas temperaturas (se fossem colocados no fogo, por exemplo) iriam se expandir e ficar de tamanho maior, podendo até mesmo, a dificultar a passagem do trem.

Este tipo de excitação é chamado de movimento térmico. Quando uma substância é aquecida, suas partículas constituintes começam a se mover mais, mantendo assim uma maior separação média com suas partículas vizinhas. O grau de expansão dividido pela mudança de temperatura é chamado de coeficiente de expansão térmica do material; geralmente varia com a temperatura.

Porque é que o tamanho do objeto se expande quando aquecido?

A resposta pode ser encontrada na forma do típico potencial partícula-partícula na matéria. Partículas em sólidos e líquidos sentem constantemente a presença de outras partículas vizinhas. Esta interação pode ser representada matematicamente como uma curva potencial. A figura 2 ilustra como este potencial inter-partícula geralmente toma uma forma assimétrica ao invés de uma forma simétrica, em função da distância partícula-partícula. Note – se que a curva potencial é mais íngreme para uma distância mais curta.

Os materiais que contraiam ou mantêm a sua forma com o aumento da temperatura são raros. Este efeito é limitado em tamanho, e só ocorre dentro de intervalos de temperatura limitados.

Dilatação térmica linear

Para uma primeira aproximação, a mudança nas medições de comprimento de um objeto (dimensão linear em oposição, por exemplo, a dimensão volumétrica) devido à expansão térmica está relacionada com a mudança de temperatura por um coeficiente de expansão linear. É a variação fracional no comprimento por grau de mudança de temperatura. Assumindo um efeito negligenciável de pressão, podemos escrever a equação da dilatação térmica:

αL=1LdLdT,

Conheça o mapa político do Brasil

O mapa político do Brasil refere-se à representação de seu território, ou seja, como ele está dividido entre regiões, estados, capitais, cidades, municípios e distritos. O atual mapa político do país está em vigência desde 1988.

História do mapa político do Brasil

Desde sua primeira criação oficial em 1502 o mapa político do Brasil passou por diversas mudanças ao longo dos anos. Esse primeiro mapa foi produzido com as informações coletadas por navegadores que saíram para explorar o país.

Entretanto, apesar de mudanças sofridas, somente em 1940 o mapa passou por uma modernização.

O mapa brasileiro também foi atualizado na década de 70, quando o estado do Mato Grosso foi dividido e surgiu o Mato Grosso do Sul, e em 1982, quando Rondônia virou estado.

Em 1987 ocorreu uma nova atualização, quando Roraima e Amapá viraram estados, Goiás passou a pertencer á Região Centro-oeste, e o estado de Tocantins foi criado.

Durante os anos o mapa político do Brasil passou por mais algumas mudanças, até chegar à configuração que possui hoje, dividido em 5 regiões, 26 estados e 1 distrito.

Veja abaixo como o país está atualmente dividido em regiões e estados com suas respectivas capitais.

Região Norte

Acre – Capital: Rio Branco.

Amapá – Capital: Macapá.

Amazonas – Capital: Manaus.

Pará – Capital: Belém.

Rondônia – Capital: Porto Velho.

Roraima – Capital: Boa Vista.

Tocantins – Capital: Palmas.

Região Nordeste

Alagoas – Capital: Maceió.

Bahia – Capital: Salvador.

Ceará – Capital: Fortaleza.

Maranhão – Capital: São Luís.

Paraíba – Capital: João Pessoa.

Pernambuco – Capital: Recife.

Piauí – Capital: Teresina.

Rio Grande do Norte – Capital: Natal.

Sergipe – Capital: Aracaju.

Região Centro-Oeste

Goiás – Capital: Goiânia.

Mato Grosso – Capital: Cuiabá.

Mato Grosso do Sul – Capital: Campo Grande.

Distrito Federal – Capital: Brasília.

Região Sudeste

Espírito Santo – Capital: Vitória.

Minas Gerais – Capital: Belo Horizonte.

São Paulo – Capital: São Paulo.

Rio de Janeiro – Capital: Rio de Janeiro.

Região Sul

Paraná – Capital: Curitiba.

Rio Grande do Sul – Capital: Porto Alegre.

Santa Catarina – Capital: Florianópolis.

Conheça os Estados e capitais do Brasil

Estados

Você já parou para pensar o quão grande é o nosso país? Ao todo, possuímos 27 Estados e todos eles possuem suas respectivas capitais. Neste artigo, vamos abordar cada um desses Estados, conforme a sua localidade, ou seja, sua região e seus respectivos climas.

Para que você possa se localizar de uma forma um pouco mais precisa, aconselhamos que você tenha disponível o Mapa do Brasil. Com ele, será muito mais fácil entender cada uma das capitais e suas localidades regionais. Vamos lá!

Estados da Região Norte

Na Região Norte podemos encontrar um clima equatorial de vasta vegetação, devido a floresta amazônica e sua Planície. O clima dá-se pelo relevo formado tanto pela planície, como pelos Planaltos Orientais e sua depressão marginal. Toda sua economia, dá-se pelo total extrativismo mineral e vegetal.

Hoje, podemos encontrar desenvolvidas empresas, que possuem a matéria prima, como madeiras e ferro. A chamada Zona Franca de Manaus, é um dos principais focos econômicos da região Norte brasileira.

  • Acre – Rio Branco;
  • Amapá – Macapá;
  • Amazonas – Manaus;
  • Pará – Belém;
  • Rondônia – Porto Velho;
  • Roraima – Boa Vista;
  • Tocantins – Palmas.

Estados da Região Centro-Oeste

No centro-Oeste, o clima predominante é o clima tropical. Nele, há muitos invernos secos e verões chuvosos. Possui um relevo situado pelo Planalto Central, onde a principal vegetação é o cerrado.

A principal economia do Centro-Oeste, baseia-se na produção de milho, soja e carne bovina. Devido a esse pequeno incentivo à produção agropecuária, muitas florestas e áreas verdes vem se desmatando, principalmente na área Norte do Centro-Oeste.

  • Goiás – Goiânia;
  • Mato Grosso – Cuiabá;
  • Mato Grosso do Sul – Campo Grande;
  • Distrito Federal – Brasília.

Estados da Região Nordeste

Esta região se caracteriza por ser a terceira maior do país. Tendo uma vasta área vasta e possuindo um clima totalmente tropical e úmido. Suas principais áreas dão-se em Semiáridas, do Sertão Nordestino. Planalto leste, uma região litorânea de Borborema e outra região equatorial, que se encontra no Noroeste do Maranhão.

  • Alagoas – Maceió;
  • Bahia – Salvador;
  • Ceará – Fortaleza;
  • Maranhão – São Luís;
  • Paraíba – João Pessoa;
  • Pernambuco – Recife;
  • Piauí – Teresina;
  • Rio Grande do Norte – Natal;
  • Sergipe – Aracaju.

Estados da Região Sudeste

O clima principal do Sudeste é também o tropical, porém mais ameno, por se encontrar numa altitude diferente do Nordeste. Por se encontrar numa vegetação mais planáltica, da Mata Atlântica, o verão acaba sendo também muito chuvoso e seu inverno mais seco.

  • Espírito Santo – Vitória;
  • Minas Gerais – Belo Horizonte;
  • São Paulo – São Paulo;
  • Rio de Janeiro – Rio de Janeiro.

Estados da Região Sul

Com o clima subtropical, encontramos a região Sul. Nela, a vegetação predominante dá-se pela Mata Araucária, em seus principais campos e relevos (Conhecidos como Pampas). A economia é predominada pela agricultura moderna e produção de gado, fumo, alimentícios, têxtil, automobilísticos e metalúrgicos.

  • Paraná – Curitiba;
  • Rio Grande do Sul – Porto Alegre;
  • Santa Catarina – Florianópolis. 

Tempos Verbais

Os tempos verbais expressam quando aconteceu uma ação, um fenômeno da natureza ou um estado. Resumidamente essa ações podem acontecer no  passado (pretérito), no presente ou no futuro.

Veja abaixo alguns exemplos:

Passado (pretérito)

O tempo passado é usado para expressar ações que já aconteceram.

Exemplo: Eu li todos os dias.

Presente

O tempo presente é usado para expressar uma ação que acontece no momento da fala, além de indicar procedimentos regulares ou situações permanentes.

Exemplo: Eu leio todos os dias.

Futuro

O tempo futuro é usado para expressar uma ação que ainda vai acontecer.

Exemplo. Eu lerei todos os dias.

Modos do verbo

Graças a riqueza da língua portuguesa os tempos verbais vão além de presente, passado e futuro. Há outros tempos verbais divididos entre os modos: indicativo, subjuntivo e imperativo.

 

Tempos do modo indicativo

Os tempos do modo indicativo expressam uma ação certa, e são classificados da seguinte forma: Presente, Pretérito Perfeito, Pretérito Imperfeito, Pretérito mais-que-perfeito, Futuro do Presente e Futuro do Pretérito.

Presente

Indica a ação no momento da fala.

Exemplo: Eu amo.

Pretérito Perfeito

Indica uma ação já concluída.

Exemplo: Eu amei.

Pretérito Imperfeito

Indica uma ação anterior ao presente, mas ainda não concluída.

Exemplo: Eu amava.

Pretérito mais-que-perfeito

Indica uma ação anterior a outra que já foi concluída.

Exemplo: Eu amara.

Futuro do Presente

Indica uma ação que ainda vai ser realizada.

Exemplo: Eu amarei.

Futuro do Pretérito

Indica uma ação futura em relação a outra já concluída.

Exemplos: Eu amaria.

 

Tempos do Subjuntivo

Os tempos do modo subjuntivo indicam acontecimentos incertos, e estão classificados em: Presente, Pretérito Imperfeito e Futuro.

Presente

O presente do subjuntivo expressa um acontecimento incerto ou duvidoso.

Exemplo: Que eu ame.

Pretérito Imperfeito

O pretérito imperfeito do subjuntivo indica uma ação no passado que depende de uma outra ação também já passada.

Exemplo: Se eu amasse.

Futuro do Subjuntivo

O futuro do subjuntivo indica uma ação que irá se realizar dependendo de outra ação futura.

Exemplo: Quando eu amar.

 

Tempos do modo Imperativo

O modo imperativo indica uma ordem ou pedido, e está classificado em afirmativo e negativo.

Afirmativo

Expressa uma ordem feita de forma afirmativa.

Exemplo: Compre ele o bolo.

Negativo

Expressa uma ordem feita de forma negativa.

Exemplo: Não compre ele o bolo.